In-situ

Na maioria dos casos, os solos contaminados não podem ser escavados ou a escavação é muito complexa para ser conduzida. Sendo assim, solos e água subterrânea podem perfeitamente ser tratados por técnicas de remediação in-situ. Existem diversas técnicas in-situ que podem ser aplicadas, porém se avaliarmos do ponto de vista ecônomico e sustentável, geralmente a remediação biológica é a preferência. Dada a complexidade das áreas contaminadas, normalmente uma abordagem biológica é consorciada com outras técnicas, como remoção de (L/D)NAPL, extração de vapor do solo, pump & treat, oxidação química, etc...

Remediação biológica in situ

A biorremediação in-situ pode ser implementada de diversas maneiras, como por exemplo, injeção direta dos nutrientes ou dosagem através da recirculação das águas subterrâneas, dentre outros tipos de abordagens. A técnica mais adequada dependerá das características do site, tipo de contaminação e geologia, ou seja, variando de local para local.

Parcerias

Na Europa, para algumas áreas contaminadas por solventes clorados (cVOC) e também por MTBE, a GreenSoil possui parceria com a Xeramics International NV (subsidiária da Punch), detentora da licença comercial de uma técnica patenteada, denominada VITO. A patente inclui a reprodução e bioaugumentação no solo com um bactéria específica que degrada o cVOC em combinação com a dosagem do doador de elétrons/nutrientes indicada. A patente também inclui o design de biorreatores de MTBE, nos quais as bactérias responsáveis pela degradação deste composto são adicionadas, resultando em altas eficiências de remoção nas águas subterrâneas impactadas.


Whatsapp Greensoil Group Whatsapp Greensoil Group